Anjos que salvam vidas

Endereço:

Rua João Bauer, nº 85, centro - Itajaí

Telefones:

(047) 3249-5301 | (047) 3249-5308 | (047) 3249-5315

● Seward ●

7 de janeiro de 2022

O que posso fazer para aliviar as cólicas?

As cólicas são o resultado de um processo natural do desenvolvimento gastrointestinal da criança e que dura de três a quatro meses. Portanto, procure manter a calma diante do choro do seu bebê. A ansiedade do adulto só faz piorar a situação. Ambiente tranquilo e música suave são sempre bem-vindos. Banho morno (em posição fetal) também. O mesmo se aplica a compressas mornas na barriguinha com toalhas felpudas passadas a ferro. Elas têm um efeito analgésico (mas teste antes o calor da toalha em sua própria face).

Outra dica: movimente as pernas do bebê, fazendo-o pedalar no ar. Esse exercício pode ajudá-lo a eliminar o excesso de gases. Procure ainda massagear a barriguinha do bebê no sentido horário.

Agora, o mais importante é ter paciência para acalmar o bebê, aconchegando-o no colo, barriga com barriga, ou apoiado de bruços na extensão do seu antebraço.

E atenção: oferecer chás entre as mamadas pode prejudicar a amamentação, além de não resolver as cólicas. Já os remédios “contra gases” têm pouca eficácia.

● Seward ●

23 de dezembro de 2021

Qual a quantidade correta de amamentação?

Medir a quantidade de leite que sai do peito não é um indicador confiável do leite que você produz. Isso ocorre porque a capacidade de sucção do seu bebê é muito maior do que a de uma bomba tira-leite.

Independentemente de o seu bebê consumir muito ou pouco leite, cada criança é diferente, portanto não há uma quantidade exata recomendada por dia. Em média, os bebês consomem 75 ml por cada libra de peso (463 g). No entanto, você pode usar os seguintes sinais para avaliar se seu filho ainda está com fome:

  • Levar as mãos à boca repetidamente
  • Mostrar a língua
  • Abrir a boca
  • Fazer sons com a boca
  • Levar os braços ou as pernas em direção ao centro do corpo
  • Lamber os lábios
  • Acariciar o peito da mãe
  • Se irritar e sugar tudo ao seu redor

Se o seu bebê não apresenta os comportamentos listados acima, ele está satisfeito e ingerindo a quantidade certa.

● Seward ●

17 de dezembro de 2021

Gestantes podem praticar atividades físicas?

Engana-se quem pensa que as dúvidas começam apenas após o parto. Ainda na gestação, muitas perguntas surgem na cabeça das futuras mamães, inclusive sobre atividades físicas. Assim como em outros casos, a prática de exercícios regulares durante a gravidez também é benéfica, sejam eles aeróbicos ou de fortalecimento muscular, mas sempre com acompanhamento médico para evitar contraindicações.

Nas gestações sem complicações, o exercício físico ajuda na manutenção do bem-estar e condicionamento físico, além de ter benefícios clínicos como o melhor controle do ganho de peso com redução nos riscos de diabetes gestacional, pré-eclâmpsia, depressão e dores osteomusculares. Outro benefício da prática regular de atividade física é o melhor controle de sintomas comuns na gravidez, como constipação, inchaço, dores nas costas, câimbras, dificuldade para dormir e falta de energia.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a prática de pelo menos 150 minutos de atividade física por semanaPara gestantes (sem complicações na gravidez) a recomendação não é diferente. Quem não pratica nenhuma atividade física pode iniciar o hábito realizando 3 dias de treinos semanais e as gestantes ativas devem fracionar os 150 minutos de atividades semanais em 4 a 5 sessões de treinos, evitando fazer sessões longas. O treino deve incluir atividades aeróbicas, resistivas (treinamento de força), exercícios posturais e alongamentos.

● Seward ●

3 de dezembro de 2021

Estou grávida, existe algo que não posso comer?

Durante a gravidez é preciso ter cuidados especiais com a alimentação, pois diversos alimentos podem prejudicar o desenvolvimento do bebê e a saúde da grávida.

Além de substâncias tóxicas como o álcool e o excesso de açúcar, alimentos como peixes crus, frutas e legumes mal lavados devem ser evitados, pois podem estar contaminados com micro-organismos que afetam o bebê.

Os peixes crus, como sushi, e as carnes mal passadas devem ser evitados porque podem estar contaminados com a bactéria listeria, que pode causar aborto e parto prematuro, ou com doenças como a cisticercose, que pode afetar o sistema nervoso e prejudicar o funcionamento do cérebro.

Os ovos crus e mal passados devem ser evitados porque podem conter a bactéria salmonella, que pode causar diarreias graves, vômitos, febre e morte.

Por isso, também é importante evitar o consumo de sobremesas, molhos e temperos caseiros que usam ovos crus na receita, como a maionese caseira e o molho Ceasar.

Os leites não pasteurizados, como leites vindos diretamente de sítios ou de fazendas, devem ser evitados porque contêm elevado número de bactérias que causam infecções intestinais, diarreias e mal-estar.

Assim, deve-se sempre consumir leites pasteurizados ou leite UHT, que passam por tratamentos em temperaturas elevadas para eliminar os micro-organismos que possam estar presentes no alimento.

● Seward ●

25 de novembro de 2021

Como deve ser feita a introdução alimentar do bebê?

Durante os primeiros seis meses do bebê, recomendamos o leite materno como única fonte de alimentação, nem mesmo água, pois o leite já supre as necessidades do bebê.

Aos seis meses, mamães já podem começar a introduzir outros alimentos na dieta de maneira lenta e gradual. Começando pelas papinhas salgadas no almoço, que podem ser preparadas com legumes, arroz, batata e macarrão e na parte da tarde uma fruta amassada. Aos 7 meses, o jantar é liberado também.

É importante lembrar que nem sempre as crianças irão se adaptar facilmente, por isso, não force e nem insista para que não ocorra traumas futuros. Caso perceba que a criança ainda está com fome é permitido amamentar.

● Seward ●

17 de novembro de 2021

Quais são as vacinas que o bebê deve tomar nos primeiros dias de vida?

A vacinação infantil protege a criança de inúmeras doenças e faz parte dos cuidados básicos. Elas começam logo após o nascimento, ainda na maternidade, e se estendem até os 14 anos de idade.

Durante o primeiro ano de vida, o bebê vai tomar mais vacinas do que ao longo de toda a vida. As vacinas, quando aplicadas nas datas certas, são mais eficientes. As primeiras vacinas do bebê são realizadas ainda nos primeiros dias de vida e elas são:

 

  • BCG

A vacina é de dose única, e previne contra formas graves de tuberculose, uma doença infecciosa que afeta os pulmões e pode atingir outras partes do corpo. É importante vacinar seu filho pois vivemos em região de elevada incidência de tuberculose.

  • Hepatite B – Primeira dose

A primeira dose deve ser aplicada até 12 horas após o nascimento. A Hepatite B é uma doença que provoca mal-estar, febre, dor de cabeça, fadiga, dor abdominal, náuseas, vômitos e aversão a alguns alimentos. Agravada, pode causar infecções ou tumores no fígado.